Menu
busca avançada

Voltar

Notícias

'Não brinque com a dor dos outros!'28/02/2019

Frase faz parte de campanha de conscientização sobre o perigo de se banalizar a dependência química


Neste Carnaval, o Centro de Apoio, Desenvolvimento e Qualificação (Cadeq) lança nas redes sociais uma campanha de conscientização sobre a abordagem da dependência química de forma banalizada. A ilustração da campanha, que tem como tema "Não brinque com a dor dos outros!", traz a imagem de uma máscara que está sendo vendida neste período, com o rosto do ator Fábio Assunção.

Recentemente, o ator virou notícia por uma atitude inusitada e altruísta. Ele realizou um acordo amigável com os compositores da música que leva seu nome, a qual explorava a dependência química do ator de forma depreciativa. Em vez de processar os autores, Fábio solicitou que toda a renda obtida pela música fosse doada para instituições que trabalham com recuperação de dependentes.

Contudo, a continuidade da exploração negativa da condição do ator sensibilizou os diretores do Cadeq, que resolveram chamar a atenção das pessoas para a banalização de um problema tão grave e que afeta um número considerável de pessoas no mundo.

Sem graça - Segundo o presidente da entidade, Severino Correia (o Sivuca), a dependência química não tem graça. Apesar de uma parcela da sociedade achar que ela é um desvio de caráter, na verdade é uma doença grave e progressiva. O uso prolongado de drogas lícitas e ilícitas pode levar o usuário a óbito, tanto por fatores diretos - doenças oportunistas - , como por fatores indiretos, a exemplo da violência.

Já Alessandro Oliveira, psicólogo do Cadeq e presidente do Conselho de Saúde de Cubatão, observa que não é apenas o usuário que "sofre nas garras da adicção". A família também é profundamente atingida pelas consequências da doença, podendo mesmo ser destruída se não houver procura por ajuda. Desta forma, qualquer atitude que banalize ou mascare a gravidade desta doença deve ser alertada e combatida. "Não podemos brincar com a dor alheia. Temos que ter um mínimo de empatia com o semelhante. Por trás da dependência química tem alguém sofrendo", finaliza Alessandro.

Informação - Quem quiser conhecer um pouco mais sobre a dependência química pode procurar os profissionais do Cadeq na Travessa José Vicente, 50, no Sítio Cafezal, em Cubatão (atrás do Teatro do Kaos).

Prefeitura Municipal de Cubatão
Secretaria de Comunicação

Tags

Leia Também